AS ATIVIDADES PRÁTICAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS

LIMITES E POSSIBILIDADES SOBRE O USO DESSE RECURSO DIDÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35642/rm.v4i2.501

Palavras-chave:

Professores de Ciências, Ensino Fundamental II, Escolas municipais

Resumo

As atividades práticas são ferramentas didáticas de suma importância no processo de ensino-aprendizagem, pois despertam no educando o interesse pelo ensino, além de proporcionarem uma melhor assimilação dos conteúdos ministrados na disciplina de Ciências. O presente trabalho, de cunho quantitativo, teve como objetivos analisar os tipos de atividades práticas desenvolvidas por professores de Ciências, verificar a frequência com que ocorrem no cotidiano da escola, identificar as dificuldades dos professores para sua realização e conhecer como os docentes percebem a importância das atividades práticas, como recurso pedagógico facilitador do processo de ensino-aprendizagem. Primeiramente realizou-se uma revisão bibliográfica, posteriormente aplicou-se um questionário semiestruturado com 12 professores que lecionam a matéria de Ciências no Ensino Fundamental II da Rede Pública Municipal de Guanambi/BA. O resultado da pesquisa revelou que as professoras utilizam as atividades práticas no processo de ensino para estimular a construção do conhecimento e motivar os alunos. Contudo, relataram as dificuldades na realização de atividades práticas, pontuando: a ausência de um local adequado para a realização das ações, a pequena quantidade de material disponível e o elevado número de estudantes por sala de aula. As professoras apontam o quanto é importante a realização de atividades práticas no Ensino de Ciências, pois proporcionam um aprendizado mais prazeroso, se comparadas às aulas meramente expositivas.

 

Abstract

Practical activities are didactic tools of paramount importance in the teaching-learning process, as they arouse students’ interest in learning, in addition to providing a better assimilation of the contents taught in Science. The present work has a quantitative nature. It aimed at analyzing the types of practical activities developed by Science teachers, verifying the frequency they occur in the school, identifying teachers’ difficulties to carry them out and to know how teachers perceive the importance of practical activities, as a pedagogical resource that facilitates the teaching-learning process. First, a bibliographic review was carried out, then a semi-structured questionnaire was applied with 12 teachers who teach Science in Elementary School II of the Municipal Public Network of Guanambi/BA. The result of the research revealed that teachers use practical activities in the teaching process to stimulate knowledge construction and motivate students. However, they reported the difficulties in carrying out practical activities, pointing out: the absence of an adequate place to carry out the actions, the small amount of available material and the high number of students per classroom. The teachers point out how important it is to carry out practical activities in Science Teaching, as they provide a more pleasurable learning, when compared to merely expository classes.

 

Keywords: Science teachers, Elementary School II, Municipal schools.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tayse Pereira Alves Costa, Faculdade de Guanambi

Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado da Bahia – UNEB. Pós-Graduação Lato Sensu em Ensino de Ciências Naturais e Matemática pelo Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia Baiano – Campus Guanambi.

Cristiane Silveira Mendes Nogueira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano (IFBAIANO)

Graduada em Licenciatura em Letras com Língua Inglesa pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB) – Mestrado profissional em Gestão e Tecnologias Aplicadas à Educação. Universidade do Estado da Bahia, UNEB, Brasil. Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano (IFBAIANO)

Alenice Ferreira Cruz, Docente do Instituto Federal do Norte de Minas, Campus Avançado Porteirinha

Graduada em Licenciatura em Química pela Universidade Federal de Viçosa (UFV) - Mestrado em Química pela Universidade dos Vales do Jequitinhonha e Mucur (UFVJM). Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Norte de Minas Gerais. (IFNMG).

Referências

ANDRADE, M. L. F.; MASSABNI, V. G. O desenvolvimento de atividades práticas na escola: um desafio para os professores de ciências. Ciência e Educação, Bauru, v. 17, n. 4, p. 835-854, 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132011000400005

BARRETO FILHO, B. Atividades práticas na 8ª série do Ensino Fundamental: luz numa abordagem regionalizada.128f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2001.

BIZARRO, G. H. F.; CAVALHEIRA, R. G., RODRIGUES, A. P. C., COELHO, R. S. Levantamento diagnóstico da visão discente com relação às aulas práticas e experimentais em escolas de ensino fundamental na zona oeste do Rio de Janeiro – RJ. Revista Eletrônica Novo Enfoque, v. 18, n. 18, p. 131–143, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

CARVALHO FRANÇA, N. N. et al. Atividades práticas no ensino de ciências: a relação teoria e prática e a formação do licenciando em Ciências Biológicas. CARPE DIEM: Revista Cultural e Científica do UNIFACEX, v. 16, n. 1, p. 44-60, 2018. https://periodicos.unifacex.com.br/Revista/article/view/926

CASTRO, T. F.; GOLDSCHMID, A. I. Aulas práticas em ciências: concepções de estagiários em licenciatura em biologia e a realidade durante os estágios. Amazônia. Revista de Educação em Ciências e Matemática, v.13, n. 25, p.116-134, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.18542/amazrecm.v13i25.3800

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia. Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

GASPAR, A. Experimentação em Ciências: abordagem crítica e propostas. In: GASPAR, A. Experiências de Ciências para o Ensino Fundamental. São Paulo: Ática, 2009.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GIOPPO, C.; SCHEFFER, E. W.; NEVES, M. C. D. O Ensino Experimental na Escola Fundamental: uma reflexão de caso no Paraná. Educar, Florianópolis, n. 14, p.39-57, 1998. DOI: https://doi.org/10.1590/0104-4060.180

GOUVEIA, A. B.; CRUZ, R. E.; OLIVEIRA, J. F.; CAMARGO, R. B. Condições de trabalho docente, ensino de qualidade e custo-aluno-ano. RBPAE – v. 22, n. 2, p. 253-276, 2006. DOI: https://doi.org/10.21573/vol22n22006.18883

JESUS, E. N. et al. Aulas experimentais no ensino de ciências: possibilidades e desafios no contexto escolar do 6° ano de uma escola municipal em Entre Rios-Ba. Ensino, Saúde e Ambiente, v. 9, n. 2, p. 27- 44, 2016. DOI: https://doi.org/10.22409/resa2016.v9i2.a21222

KRASILCHIK, M. Prática de Ensino de Biologia. São Paulo: USP, 2012.

LIMA, G. H. et al. O uso de atividades práticas no ensino de ciências em escolas públicas do município de Vitória de Santo Antão - PE. Revista Ciência em Extensão, v.12, n.1, p.19-27, 2016. https://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/article/view/1190

LONGO, V. C. C. Vamos jogar? Jogos como recursos didáticos no ensino de Ciências e Biologia. Prêmio professor Rubens Murilo Marques Incentivo a quem ensina a ensinar/Fundação Carlos Chagas. São Paulo: FCC/SEP, p.129-157, 2012.

NICOLA, J. A.; PANIZ, C. M. A importância da utilização de diferentes recursos didáticos no ensino de Ciências e Biologia. Infor, Inov. Form., Revista NEaD-Unesp. São Paulo, v. 2, n. 1, p.355-381, 2016. https://ojs.ead.unesp.br/index.php/nead/article/view/infor2120167

PORTO, A. et al. Um olhar comprometido com o Ensino de Ciências. 1. ed. Belo Horizonte: Fapi, 2009.

RABONI, P. C. A. Atividades práticas de ciências naturais na formação de professores para as séries iniciais. 2002. 183f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

ROSITO, B. A. O ensino de ciências e a experimentação. In: MORAES, R. (Org). Construtivismo e ensino de ciências: reflexões epistemológicas e metodológicas. Porto Alegre: EDIPUCRG, 2003. p. 195-208.

SILVA, E. C.; DUARTE, S. F. L. Ambiente alfabetizador além da sala de aula. Revista Anápolis Digital, v.3, n.1, 2012.

SILVA, F. S. S.; MORAIS, L. J. O.; CUNHA, I. P. R. Dificuldades dos professores de biologia em ministrar aulas práticas em escolas públicas e privadas do Município de Imperatriz (MA). Educação, Políticas Públicas e Sociedade, n. 1, p. 135-149, 2011.

SILVA, R. F. Atividades Práticas de Biologia no Ensino Médio: precisamos rever conceitos? Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

SOARES, R. M. & BAIOTTO, C. R. Aulas práticas de Biologia: suas aplicações e o contraponto desta prática. Revista Dialogus, v.4, nº 2, p. 53-67, 2015.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

ZANELLA, L. C. H. Metodologia de pesquisa. 2. ed. Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração. UFSC, 2013.

Imagem síntese.

Downloads

Publicado

2023-07-04

Como Citar

COSTA, Tayse Pereira Alves; NOGUEIRA, Cristiane Silveira Mendes; CRUZ, Alenice Ferreira. AS ATIVIDADES PRÁTICAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS: LIMITES E POSSIBILIDADES SOBRE O USO DESSE RECURSO DIDÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM. Revista Macambira, [S. l.], v. 4, n. 2, p. e042006, 2023. DOI: 10.35642/rm.v4i2.501. Disponível em: https://revista.lapprudes.net/RM/article/view/501. Acesso em: 13 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos