BIOQUIMICA AMBIENTAL

AS MACRÓFITAS AQUÁTICAS COMO FITORREMEDIADORAS E BIOINDICADORAS DE POLUENTES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35642/rm.v4i2.461

Palavras-chave:

Corpo Hídrico, Descontaminação, Educação Ambiental

Resumo

O rápido desenvolvimento industrial e agropecuário, atrelado ao crescimento populacional e problemas de saneamento básico, tem contribuído de forma significativa para a poluição dos corpos hídricos, especialmente àqueles próximos aos centros urbanos, por meio do descarte inadequado de efluentes domésticos e industriais além de resíduos sólidos, prejudicando os ecossistemas naturais e às populações que dele fazem uso. Partindo-se dessa problemática, o estudo das macrófitas aquáticas através da bioquímica ambiental é uma das possibilidades para diagnosticar e posteriormente tratar os corpos hídricos poluídos, pois tais macrófitas podem apresentar potencial bioindicador e fitorremediador de diversos poluentes, os quais incluem substâncias xenobióticas. O objetivo deste trabalho foi realizar uma análise no lago conhecido como Várzea no povoado Quipé, município de Biritinga-BA, objetivando identificar a presença de plantas bioindicadoras e fitorremediadoras. As metodologias adotadas foram: entrevistas semiestruturadas com moradores do entorno; observações in loco das condições do corpo hídrico e análise físico-química da água. Foi encontrada uma comunidade muito grande de macrófitas aquáticas. Assim, adotar estratégias de recuperação/despoluição dessa área perpassa pela sensibilização e conscientização do poder público e da sociedade civil e posterior uso do potencial fitorremediador dessas macrófitas.

Abstract

The accelerated industrial and agricultural development, associated with the population growth and sanitation problems have contributed significantly to the pollution of hydric bodies, especially those close to urban centers. This occurs due to the inadequate disposal of domestic and industrial effluents and the discard of solid waste, which harms the natural ecosystems and the populations that make use of them.  Starting from this problem, the study of aquatic macrophytes through environmental biochemistry is one of the possibilities to diagnose and then treat polluted hydric bodies, such as macrophytes may present bioindicator potential and phytoremediator of various pollutants, which include xenobiotic substances. The objective of this paper was to perform an analysis in the lake known as Várzea, in the village of Quipé in Biritinga-BA, aiming to identify the presence of bioindicator and phytoremediator plants. The methodologies adopted were: semi-structured interviews with surrounding residents; on-site observations of hydric body conditions and physicochemical analyses of water. A very large community of aquatic macrophytes was found. Thus, adopting recovery/depollution strategies in this area permeates the sensitization and awareness of the public authorities and civil society and the subsequent use of the phytomediator potential of these macrophytes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Borges dos Santos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano, campus Serrinha.

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano, campus Serrinha. Estudante de Licenciatura em Ciências Biológicas. E-mail: gabrielborges00@outlook.com.br;

Edeilson Brito de Souza, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano - Campus Serrinha

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano, campus Serrinha. Estudante de Licenciatura em Ciências Biológicas. E-mail: edeilsonbritoebs@gmail.com; https://orcid.org/0000-0003-2195-245X

Joice de Jesus Souza, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano - Campus Serrinha

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano, campus Serrinha. Estudante de Licenciatura em Ciências Biológicas. E-mail: joicinhasouzajesus@gmail.com; https://orcid.org/0000-0002-4421-4794

Feliphe Santiago da Invenção, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano - Campus Serrinha

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano, campus Serrinha. Estudante de Licenciatura em Ciências Biológicas. E-mail: feliphe.santiago1@gmail.com;https://orcid.org/0000-0002-1363-9327

Érico Lima Sobrinho, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano - Campus Serrinha

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano, campus Serrinha. Estudante de Licenciatura em Ciências Biológicas. Emails: erico.sobrinho35@gmail.com; https://orcid.org/0000-0002-2675-1641

Larissa Rodrigues de Oliveira Sousa, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano - Campus Serrinha

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano, campus Serrinha. Mestre em Biociências (UFBA) e docente do IF Baiano campus Serrinha. E-mail: larissa.sousa@ifbaiano.edu.br; https://orcid.org/0000-0002-1051-2881

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (ANA). Panorama da qualidade das águas superficiais do Brasil. Brasília: ANA, 2012. Disponível em: http://arquivos.ana.gov.br/imprensa/publicacoes/Panorama_Qualidade_Aguas_Superficiais_BR_2012.pdf. Acesso em: 26 set. 2020.

BALDUINO, A. R.; FONTES NETO, P.; TARTA, M. S.; CARVALHO, A. P. Avaliação preliminar da qualidade da água do ribeirão São João no município de Porto Nacional - TO. In: FORTES, N. L. P; FONES NETO, P. (org.). Ciências Ambientais. Taubaté: Editora da Universidade de Taubaté, v. 2, p. 141-171, 2018.

BARBOSA, G. L.; SILVEIRA, R. P.; PIRES, B. S.; OLIVEIRA, C. L.; CARVALHOSA, G. S.; BARATA, G. P. B.; VARGENS, M. M. F.; REIS, M. V. Educação ambiental: conceitos e práticas na gestão ambiental pública. Rio de Janeiro: INEA 2014. Disponível em: http://www.inea.rj.gov.br/wp-content/uploads/2019/01/Guia-de-Educa%C3%A7%C3%A3o-Ambiental.pdf. Acesso em: 25 abr. 2020.

BARRETO, B. A. Seleção de Macrófitas Aquáticas com Potencial para Remoção de Metais-traço em Fitorremediação. 2011. Dissertação (Mestrado em Saneamento, Meio Ambiente E Recursos Hídricos) - Universidade Federal De Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011. Disponível em: http://www.smarh.eng.ufmg.br/defesas/941M.PDF. Acesso em: 26 set. 2020.

BARRETO, L. V.; BARROS, F. M.; BONOMO, P.; ROCHA, F. A.; AMORIM, J. S.; Eutrofização em rios brasileiros. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer. Goiânia, v. 9, n. 16, p. 2165-2179, jul. 2013. Disponível em: https://www.conhecer.org.br/enciclop/2013a/biologicas/EUTROFIZACAO.pdf. Acesso em: 26 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação nacional da Saúde (FUNASA). Manual de controle da qualidade da água para técnicos que trabalham em ETAS. Brasília, 2014. Disponível em: http://www.funasa.gov.br/documents/20182/38937/Manual+de+controle+da+qualidade+da+%C3%A1gua+para+t%C3%A9cnicos+que+trabalham+em+ETAS+2014.pdf/85bbdcbc-8cd2-4157-940b-90b5c5bcfc87. Acesso em: 26 abr. 2020.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). Resolução nº 357/2005, de 17 de março de 2005. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2005. Disponível em: http://pnqa.ana.gov.br/Publicacao/RESOLUCAO_CONAMA_n_357.pdf. Acesso em: 26 set. 2020.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). Resolução nº 430/2011, de 13 de maio de 2011. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2011. Disponível em: http://www.adasa.df.gov.br/images/stories/anexos/8Legislacao/Res_CONAMA/Resolucao_CONAMA_430_2011.pdf. Acesso em: 26 set. 2020.

COUTINHO, S. N. Estudo de Bioacumulação de Metais Tóxicos e Elementos Traço em Amostras de Macrófitas Aquáticas Flutuantes do Reservatório Guarapiranga, São Paulo - SP, Brasil. 2018. Dissertação (Mestrado em Ciências na Área de Tecnologia Nuclear - Aplicações) - Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018. Disponível em: https://inis.iaea.org/collection/NCLCollectionStore/_Public/49/066/49066553.pdf. Acesso em: 26 set. 2020.

CRUM, S. J. H.; KAMMEN-POLMAN, A. M. M. van; LEISTRA, M. Sorption of nine pesticides to three macrophytes. Archives of Environmental Contamination and Toxicology, v. 37, p. 310-316, 1999. DOI 10.1007/s002449900519. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s002449900519. Acesso em: 06 de jun. de 2020.

FERNICOLA, N. A. G. G.; BOHRER-MOREL, M. B. C.; BAINY, A. C. D. Ecotoxicologia. In: AZEVEDO, F. A.; CHASIN, A. A. M. (Ed.). As bases toxicológicas da ecotoxicologia. São Carlos: RiMa, 2003.

GARCIA, A. N. A atividade antrópica como acelerador de processos de eutrofização. São Paulo -SP, 2015. Disponível em: http://arquivos.ambiente.sp.gov.br/pgibt/2013/04/angelica.pdf. Acesso em: 26 abr. 2020.

GAYLARDE, C. C.; BELLINASCO, M. L.; MANFIO, G. P.; Biorremediação: aspectos biológicos e técnicas da biorremediação de xenobióticos. Biotecnologia Ciência & Desenvolvimento. n. 34. p. 36-45. jan/jun 2005. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/mod/resource/view.php?id=2226878. Acesso em: 06 de jun. de 2020.

GHERARDI, C. F. E. Estudo dos fatores que levam a mortandade de peixes em água doce. Centro universitário Metodista Izabela Hendrix. Belo Horizonte - MG, 2010. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas-izabela/index.php/aic/article/viewFile/554/461. Acesso em: 06 jun. 2020.

HALLS, S; YAMAZAKY, K; MATSUMURA-TUNDISI, T; TUNDISI, J. G. Qualidade da água: o impacto da eutrofização. In: Lagos e reservatórios. São Carlos-SP, v. 3, p. 13, 2005. Disponível em: http://www.blogdocancado.com/wp-content/uploads/2011/02/eutrofizacao1.pdf. Acesso em: 26 abr. 2020.

HEGEL, C. G. Z.; MELO, E. F. R. Q. Macrófitas Aquáticas Como Bioindicadoras Da Qualidade Da Água Dos Arroios Da Rppn Maragato. Revista em Agronegócio e Meio Ambiente, Maringá-PR, v. 9. n. 3, p. 673-693, jul/set 2016. DOI 10.17765/2176-9168. Disponível em: https://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/rama/article/view/3744. Acesso em: 18 jul. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). IBGE Cidades: cidade de Biritinga Bahia. 2019. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/biritinga/panorama. Acesso em: 28 abr. 2020.

KLAIN, C.; AGNE, S. A. A. Fósforo: de nutriente à poluente. Revista Elet. em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, v. 8, n. 8, p. 1713-1721, 2012. DOI 10.5902/223611706430. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reget/article/viewFile/6430/pdf. Acesso em: 18 jul. 2019.

LORENZI, H. Plantas Daninhas do Brasil: Terrestres, Aquáticas, Parasitas e Tóxicas. 4 ed. Nova Odessa-SP: Instituto Plantarum, 2008.

MANAHAN, S. E. Química Ambiental. 9 ed. Columbia: University of Missouri, 2013.

MARTINS, A. B. C.; ROCHA, J. P.; SANTANA, C. G. Análise dos impactos causados pelo lançamento de efluentes domésticos não tratados e sua relação com a capacidade de autodepuração de um corpo hídrico. Revista CEDS, n. 9, ago/dez 2018. Disponível em: http://sou.undb.edu.br/public/publicacoes/analise-dos-impactos-causados-pelo-lancamento-de-efluentes-domesticos-nao-tratados-e-sua-relacao-com-a-capacidade-de-autodepuracao-de-um-corpo-hidrico-ana-beatriz-jhogenes-pereira-e-claudemir-gomes.pdf. Acesso em: 06 jun. 2020.

MATIAS, L.Q. Alismataceae. In: Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB4272. Acesso em: 18 jul. 2019.

MEYER, S. T. O Uso de Cloro na Desinfecção de Águas, a Formação de Trihalometanos e os Riscos Potenciais à Saúde Pública. Cad. Saúde Públ., p. 99-110, 1994. DOI 10.1590/S0102-311X1994000100011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v10n1/v10n1a11.pdf. Acesso em: 26 abr. 2020.

MONTONE, R. C. Bioacumulação e Biomagnificação. Instituto de Oceanografia da Universidade de São Paulo (IOUSP), 2015. Disponível em: http://www.io.usp.br/index.php/oceanos/textos/antartida/31-portugues/publicacoes/series-divulgacao/poluicao/811-bioacumulacao-e-biomagnificacao. Acesso em: 24 jul. 2019.

PEDRALLI, G. Macrófitas aquáticas como bioindicadoras da qualidade da água: alternativas para usos múltiplos de reservatórios. In: THOMAZ, S. M.; BINI, L. M. (Ed.). Ecologia e Manejo de Macrófitas Aquáticas. Maringá: EDUEM, 2003. Disponível em: https://pt.scribd.com/doc/45621382/Thomaz-e-Bini-2003-Ecologia-e-manejo-de-macrofitas-aquaticas. Acesso em: 26 set. 2020.

PINTO, M. C. F. (org.). Medição inloco: Temperatura, pH, Condutividade Elétrica e Oxigênio Dissolvido. Belo Horizonte -MG: Serviço Geológico do Brasil, 2007. Disponível em: http://www.cprm.gov.br/publique/media/gestao_territorial/geologia_medica/manual_medicoes_T_%20pH_OD.pdf. Acesso em: 27 abr. 2020.

POMPÊO, M. L. M. Monitoramento e Manejo de Macrófitas Aquáticas. Oecologia brasiliensis, v. 12, n. 3, p. 406-424, 2008. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/2882865.pdf. Acesso em: 26 de set. 2020.

RAI, P. K. Heavy Metal Phytoremediation from Aquatic Ecosystems with Special Reference to Macrophytes. Critical Reviews in Environmental Science and Technology. v. 39, n. 9, p. 697-753, set 2009. DOI 10.1080/10643380801910058. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/10643380801910058. Acesso em: 25 abr. de 2020.

REECE, J. B. Biologia de Campbell. 10 ed. Porto alegre: Artmed, 2015.

RECHI, E. Samambaia Mosquito (Azolla caroliniana). Aquarismo Paulista, São Paulo-SP, 2014. Disponível em: http://www.aquarismopaulista.com/azolla-caroliniana/. Acesso em: 18 jul. 2019.

RIBEIRO, E. S.; PEREIRA, M. P.; CASTRO, E. M.; BARONE, G. R; CORRÊA, F. F.; PEREIRA, F. J. Relações da anatomia radicular na absorção, no acúmulo e na tolerância ao chumbo em Echinodorus grandiflorus. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande-PB, v. 19, n. 6, p. 605-612, 2015. DOI 10.1590/1807-1929. Disponível em: http://www.agriambi.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=88&Itemid=11. Acesso em: 22 jul. 2019.

RODRIGUES, A. C. D.; SANTOS, A. M.; SANTOS, F. S.; PEREIRA, A. C. C.; SOBRINHO, N. M. B. A. Mecanismos de Respostas das Plantas à Poluição por Metais Pesados: Possibilidade de Uso de Macrófitas para Remediação de Ambientes Aquáticos Contaminados. Revista Virtual de Química. v. 8, n. 1, p. 262-276, 2016. DOI 10.5935/1984-6835.20160017. Disponível em: http://rvq-sub.sbq.org.br/index.php/rvq/article/view/1488. Acesso em: 28 abr. 2020.

RODRIGUES, M. E. F. Levantamento florístico e distribuição de macrófitas aquáticas na Represa Guarapiranga, São Paulo, Brasil. 2011. Dissertação (Mestrado em Botânica na Área de Sistemática) - Departamento de Botânica, Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2011. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/41/41132/tde-09122011-135402/publico/M_Estefania_Rodrigues_CORRIG.pdf. Acesso em: 12 fev. 2020.

SANTOS, D. A. Contribuição Química para os Voláteis da Aristolochia trilobata e Obtenção do Acetato de 6-metil-5-hepten-2-ila por biotransformação. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Sergipe (UFS). São Cristóvão - SE, 2013. Disponível em: https://ri.ufs.br/bitstream/riufs/6035/1/DARLISSON_ALEXANDRIA_SANTOS.pdf. Acesso em: 06 jun. 2020.

SÃO PAULO (Estado). Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB). Guia Nacional de Coleta e Preservação de Amostra: água, sedimento, comunidades aquáticas e efluentes líquidas. São Paulo, 2011. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Marta_Lamparelli/publication/275351750_Guia_Nacional_de_coleta_e_Preservacao_de_amostras_Agua_Sedimento_Comunidades_Aquaticas_e_efluentes_liquidos/links/57a088bf08aec29aed24b029/Guia-Nacional-de-coleta-e-Preservacao-de-amostras-Agua-Sedimento-Comunidades-Aquaticas-e-efluentes-liquidos.pdf. Acesso em: 26 de set. 2020.

SHARMA, S.; SINGH, B.; MANCHANDA, V. K. Phytoremediation: role of terrestrial plants and aquatic macrophytes in the remediation of radionuclides and heavy metal contaminated soil and water. Environ. Sci. Pollut. Res. v. 22, p. 946–962, 2015. DOI 10.1007/s11356-014-3635-8. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s11356-014-3635-8. Acesso em: 25 abr. 2020.

SILVA, C. O. Características Físicas e Anatômicas de Typha domingensis Submetida a Concentrações Crescentes em Arsênio. 2014. Dissertação (Mestrado em Botânica Aplicada) - Universidade Federal de Lavras. Lavras-MG, 2014. Disponível em: http://repositorio.ufla.br/jspui/bitstream/1/2627/1/DISSERTAÇÃO. Acesso em: 22 jul. 2019.

SILVA, R. S. Influência da temperatura e de cargas de nutrientes no crescimento da macrófita aquática flutuante Eichhornia crassipes (mart.) solms cultivada em água enriquecida artificialmente. 2008. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológica) - Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista. Rio Claro-SP, 2008. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/87879/silva_rs_me_rcla.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 06 jun. 2020.

SMITH, V. H.; SCHINDLER, D. W. Eutrophication science: where do we go from here? Trends in Ecology and Evolution. v. 24, n. 4, p. 201-207, 2009. DOI 10.1016/j.tree.2008.11.009. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S016953470900041X. Acesso em: 05 maio de 2020.

SOOD, A.; UNIYAL, P.L; PRASANNA, R.; AHLUWALIA, A. S. Phytoremediation Potential of Aquatic Macrophyte, Azolla. National Library of Medicine. v. 41, n. 2, p. 122-137, 2012. DOI 10.1007/s13280-011-0159-z. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/22396093/. Acesso em: 26 abr. 2020.

TOMAS, K. A.; HAND, L. H. Assessing the potential for algae and macrophytes to degrade crop protection products in aquatic ecosystems. Environmental Toxicology and Chemistry v. 30, n. 3, 2011. DOI 10.1002/ets.412. Disponível em: https://setac.onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/etc.412. Acesso em: 26 set. 2020.

UHR, J. G. Z.; SCHMECHEL, M.; UHR, D. A. P. Relação entre saneamento básico no Brasil e saúde da população sob a ótica das internações hospitalares por doenças de veiculação hídrica. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da Fundace, Ribeirão Preto-SP, v. 7, n. 2, p. 01-16, jun. 2016. DOI 10.13059/racef.v7i2.104. Disponível em: https://www.fundace.org.br/revistaracef/index.php/racef/article/view/104/pdf_19. Acesso em: 12 jun. 2020.

VERDEJO, M. E. Diagnóstico Rural Participativo: guia prático. 3 ed. Brasília: MDA/Secretaria da Agricultura Familiar, 2010. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4616813/mod_resource/intro/pageflip-2583697-3759191-DRP_-_Guia_prtico-2649689.pdf. Acesso em: 26 set. 2020.

Capa

Downloads

Publicado

2023-07-04

Como Citar

SANTOS, Gabriel Borges dos; SOUZA, Edeilson Brito de; SOUZA, Joice de Jesus; INVENÇÃO, Feliphe Santiago da; SOBRINHO, Érico Lima; SOUSA, Larissa Rodrigues de Oliveira. BIOQUIMICA AMBIENTAL: AS MACRÓFITAS AQUÁTICAS COMO FITORREMEDIADORAS E BIOINDICADORAS DE POLUENTES. Revista Macambira, [S. l.], v. 4, n. 2, p. e042004, 2023. DOI: 10.35642/rm.v4i2.461. Disponível em: https://revista.lapprudes.net/RM/article/view/461. Acesso em: 13 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos